Os preparativos de um casamento, além de expectativas e muito trabalho, também geram custos. Na maioria das vezes, este valor é bem mais alto dos que os noivos podem pagar.

Antigamente, os pais da noiva arcavam com as despesas da cerimônia e recepção, enquanto os pais do noivo se incumbiam de pagar as alianças, a lua-de-mel e a casa dos recém-casados.

Hoje em dia, a situação mudou. Não existem mais regras sobre quem paga o quê. Embora a tradição ainda esteja muito enraizada em nossa sociedade, é necessário ser prático quando o assunto é dinheiro.

A forma mais correta e usual, atualmente, é dividir as despesas meio a meio, se as condições financeiras forem semelhantes. Se, no entanto, um lado estiver em melhores condições que o outro, vocês podem combinar de que o lado mais abastado arcará com mais despesas. Lembre-se: o casamento deve ser uma comemoração feliz e não a causa de problemas financeiros para as famílias dos noivos.

Não adianta negar, quando o assunto é dinheiro a situação é sempre delicada. A primeira atitude a tomar é uma conversa franca. Analisem suas contas bancárias e verifiquem o quanto vocês têm disponível para o casamento.

Depois, conversem com os pais separadamente e voltem a se juntar para saber qual a real situação de cada lado. É importante que todos conheçam a disposição dos outros quanto às despesas. E decidam quem vai arcar com o quê.

Caso os noivos escolham dividir as contas, as famílias devem se reunir para definir o tipo de celebração. É uma boa oportunidade para discutir se farão uma grande festa, se preferem uma recepção mais íntima ou um bolo com champanhe. Também é indicado que cada lado tenha uma idéia do número de convidados que terá.

Nesta etapa, é importante também definir um teto de gastos, pois casamento é como uma casa em reforma, a princípio a gente imagina um valor e, no final, sai sempre mais caro.

Entretanto, a decisão final de quem paga o quê num casamento deverá ser deixado para quem se oferece voluntariamente ou demonstre capacidade de assumir essas obrigações financeiras necessárias. Mas, se ainda assim, você preferir seguir a tradição, fiz uma lista de como as despesas são dividas tradicionalmente.

A noiva
- O presente de casamento para o noivo.
- Os convites pessoais.
- Acomodações ou hotel para os convidados especiais, padrinhos (caso morem fora da cidade onde se realizará o casamento).
- Exames pré-nupciais.
- Reunião para chá-de-cozinha.

O noivo

- As alianças.
- O presente de casamento da noiva.
- Taxas de cartório.
- Acomodações ou hotel para convidados especiais (se morarem fora da cidade).
- Seus exames pré-nupciais
- A lua-de-mel.
- Jantar ou festa de despedida de solteiro.

A família da noiva

- Todas as despesas da recepção: aluguel do salão de festas, serviço de bufê completo, alimentação em geral para os convidados especiais, gorjetas, decoração, flores e músicos.
- O vestido da noiva com os acessórios.
- Os convites de casamento e as despesas de correio.
- Os serviços de fotógrafos e vídeo filmagem para o casamento.
- Cerimônia: taxas da igreja, serviços de músicos/coral, decoração da igreja e buquês das damas de companhia da noiva.
- Transporte dos noivos para a igreja e recepção.
- Almoço para os padrinhos e as madrinhas da noiva.
- Jantar para ensaio da cerimônia.

A família do noivo

- Roupas em geral para o casamento.
- Alguma despesa de viagem incluída no roteiro de lua-de-mel.
- Presente de casamento para a noiva e o noivo.
- Residência do casal.

Os padrinhos

- Algumas despesas para a viagem de lua-de-mel dos noivos.
- Presente de casamento para o casal.

Depois de tudo acertado, é só esperar a hora de subir ao altar e ser feliz.


Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar